Prestação de contas

Este evento não teve taxa de inscrição, para que seja acessível a todas as pessoas, e o vídeo completo do debate encontra-se disponível no youtube da Academia Cidadã (http://youtu.be/ffOrgR65Ims). Caso possas, ajuda a manter as iniciativas da Academia Cidadã (associação sem-fins lucrativos) acessíveis a todas as pessoas, contribuindo com qualquer quantia. A cidadania agradece!

NIB para donativos: 0035 01000 0031674930 80

 

Despesas:

Material de divulgação (panfletos e cartazes) 43,75€
Cabo de Rede 25metros (para livestream) 59,51€
Deslocações (preparação e divulgação) 16,00€
Horas de trabalho: planeamento, preparação, comunicação, montagem e desmontagem (aprox. 12horas X 12 pessoas – incluindo convidados) Voluntariado
Horas de trabalho dedicadas pelo estagiário profissional (aprox. 40 horas) 42,50€
Comunicações telefónicas de preparação Oferecidas pelxs voluntárixs
Despesas com convidados (deslocações, alimentação e alojamento) Oferecidas pelos convidados
Espaço, consumo de luz, água e internet Oferecidos pela BUS

TOTAL

161,76€

Anúncios

O vídeo do Moedas Há Muitas – conversa e propostas anti-crise


Os vídeos iniciais, resultado da emissão em directo online, foram retirados automaticamente pelo site de onde fizemos o streaming por termos uma conta não paga. Recuperámos a gravação da câmara (sem acesso ao microfone que usámos para o directo). Pedimos desculpa pelo inconveniente.

A organização deste evento teve um custo total de 161,76€ (conferir aqui orçamento detalhado) e não foi cobrada qualquer taxa de inscrição, para que fosse acessível a todas as pessoas. Se podes, contribui com qualquer quantia. Todos os cêntimos são bem-vindos :)

NIB: 0035 01000 0031674930 80

IMG-20130927-WA0000

Logo_ACADEMIACIDADA2_cor-horizontal-em-branco

Questões adicionais? Contacta os convidados / inscreve-te nas mailing-lists

Se quiserem colocar outras questões ao Miguel Hirota, enviem email para mig@olccjp.net

Se tiverem questões a colocar ao Amândio Rodrigues, basta enviar email para arodrigues@ashoka.org

MAILING-LISTS sobre moedas sociais:

– IGC3: que funciona a nível iberoamericano. https://groups.google.com/forum/?hl=es#!forum/igc3
– Moeda social Portugal: que funciona a nível nacional de Portugal. https://groups.google.com/forum/?hl=es#!forum/moedacomunitariaportugal

Moedas Há Muitas – informação complementar

Logo_ACADEMIACIDADA2_cor-horizontal-em-brancofacebook-timeline-cover---Moedas-ha-muitas-X

O que é o dinheiro? Sobretudo na forma como o conhecemos, emitido por bancos centrais e usado para mediar as trocas económicas que fazemos na vida diária? Medida de riqueza, ou do direito de usufruir dela? Um “atestado de confiança” em que haverá reciprocidade nas nossas trocas? Mas confiança entre quem? Entre pertencentes a um pais? A uma entidade supra-nacional? À economia global?
Será que a confiança se pode medir por transacções financeiras de larga escala, por “bips” nos computadores dos grandes bancos e das bolsas de valores?

Como seria o dinheiro se este representasse as relações de confiança que temos nas nossas comunidades de vizinhança?
O que acontece quando, em vez de pensar a economia como fluxos globais, se toma atenção ao valor que pode surgir das relações de reciprocidade ao nível local? Quando em vez a maximização da produtividade se valoriza a solidariedade, e a qualidade de vida, nomeadamente no que diz respeito às relações humanas?

A moeda social, instrumento de atribuição de valor de cariz comunitário, surge como uma estratégia de revitalização das economias locais, atribuindo um valor transaccionável a bens e serviços produzidos localmente, permitindo axs membros de uma comunidade de vizinhança criar e atribuir valor de forma a trocar bens e serviços entre si, sem ter de passar pelo crivo de um banco central. É, desta forma, vista como um instrumento de promoção do desenvolvimento local, destinada a sustentar cadeias produtivas locais, assim como o mercado de trabalho das colectividades que nela participam.

A sua criação inspira-se nos conceitos de economia solidária, de reciprocidade e na regulação de forma participativa e democrática das trocas económicas, na produção e comercialização de produtos. Tal acontece de uma forma que vai além da lógica capitalista, por beneficiar a comunidade local e trazer desenvolvimento na forma de criação de emprego e renda, assim como no reforço das solidariedades locais.

O seu uso é restrito à comunidade e regulado, de forma participativa, por parte da assembleia de benficiárixs, de forma a impedir a acumulação de valor, com o propósito de promover a sua circulação constante, de uma forma que impeça a inflação e a acumulação de capital e beneficie a redistribuição dos recursos na esfera da própria comunidade, contribuindo assim para diminuir o poder centralizador da economia capitalista globalizada e para promover a inclusão social. Dessa forma, o aumento da quantidade de moeda social corresponde ao aumento das transacções realizadas pelxs participantes da economia local.

Embora haja casos em que a moeda social tem “lastro”, que é geralmente o valor equivalente de uma unidade na moeda dita “oficial” (para cada moeda social uma moeda oficial do mesmo valor), tal não é necessário para que a moeda possa circular e para que lhe seja atribuído um valor.

Bibliografia online sobre moedas sociais

Garcia, Armando, Moedas Comunitárias de Portugal – Notafilia – 2012

Singer, Paul. Finanças Solidárias e Moeda Social (http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D3ADC4216013AFAE0DA6514F7/FINANÇAS%20SOLIDÁRIAS%20E%20MOEDA%20SOCIAL.pdf )
Rede Latinoamericana de Socioeconomia Solidária – REDLASES. 2006. Moeda Social e Democracia: Manual para compreender e fazer (http://redlases.files.wordpress.com/2008/09/cartilha_ms_e_democracia.pdf )
Garcia, Armando. 2012. Notafilia – Moedas Comunitárias de Portugal (http://www.slideshare.net/mig76/notafilia-moedas-comunitrias-de-portugal )
Instituto Palmas – Banco Palmas, 15 anos: Resistindo e Inovando (http://www.inovacaoparainclusao.com/o-livro.html )
Comissão Europeia. 2012. Livro Verde – Sistema Bancário Paralelo (http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=COM:2012:0102:FIN:PT:PDF )

LogosPolos-LABORATORIO VIVO DA SUSTENTABILIDADE-AcademiaCidada

Moedas Há Muitas – Conversa e propostas anti-crise

Cartaz Moedas Há Muitas

Academia Cidadã convida a participar activamente na discussão e reflexão sobre moedas sociais e economia solidária na tertúlia cidadã “Moedas Há Muitas. A conversa terá lugar no dia 26 de Setembro, às 21 horas, na Rua Maria n.º 73 (à Forno do Tijolo), Lisboa – Metro: Anjos.

A conversa entre Miguel Yasuyuki Hirota (investigador na Universidade de Valência, Espanha, e activista), Amândio Rodrigues (empreendedor social nas organizações não-governamentais Ashoka Portugal e PAR – Respostas Sociais) e todxs xs participantes da tertúlia será moderada por Ana Margarida Esteves, investigadora em economia solidária e activista da Academia Cidada.

Agradecemos a divulgação e partilha :)

PROGRAMA:

MOEDAS SOCIAIS E COMPLEMENTARES

Miguel Yasuyuki Hirota (investigador, activista – Universidade de Valência, Espanha)

CASO PORTUGUÊS – A MOEDA SOCIAL DE GRÂNDOLA / EXPERIÊNCIAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA
Amândio Rodrigues (empreendedor social – Ashoka Portugal, PAR Respostas Sociais)

MODERAÇÃO:
Ana Margarida Fernandes Esteves (investigadora, activista – Academia Cidadã)

Entrada gratuita.

——
Organização: Academia Cidadã | Citizenship Academy
Parceria: BUS – Paragem Cultural
——

evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1404967943060056/
mais informações: labvivo@academiacidada.org

Logo_ACADEMIACIDADA2_cor-horizontal-em-branco